Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Assembleia / Notícias / Instrução legislativa trata sobre denúncia de má execução da obra do ginásio Claudio Coutinho

Instrução legislativa trata sobre denúncia de má execução da obra do ginásio Claudio Coutinho

por Igor Cruz publicado 12/03/2018 13h10, última modificação 12/03/2018 13h10
Deputado Jesuíno Boabaid recebeu denúncia e constatou que o teto apresenta goteiras que prejudicam o piso do ginásio que consumiu R$ 6 mi em reforma...

 

O deputado Jesuíno Boabaid (PMN) realizou na manhã desta segunda-feira (12), no Plenarinho da Assembleia Legislativa (ALE), audiência de instrução legislativa para esclarecer sobre denúncia recebida em relação a problemas de infiltração no telhado, piso, cadeiras e corrimão soltando do Ginásio Claudio Coutinho, em Porto Velho.

A coordenadora técnica do Pidise, Maria Emilia da Silva informou que o contrato foi feito pela Sepog e executado, através do Programa Integrado de Desenvolvimento e Inclusão Socioeconômica de Rondônia, beneficiária a Secretaria de Educação.

Emilia disse que a empresa executou serviços contratados, ajustes foram necessários e assim foram feitos os devidos aditivos. Empresa tem até 5 anos para resolver problemas. Engenharia irá posicionar sobre os problemas, tendo em vista que foram constatados na execução da obra.

O coordenador de engenharia do Pidise, Cesar Oliveira de Souza, informou que o problema do Claudio Coutinho não tem a ver com má execução, mas sim que as chuvas deste ano foram atípicas, “chegando a ser quase que horizontais, provocando a infiltração e em consequência o dano em parte do piso da quadra”, disse Cesar relatando que a empresa já está notificada.

Maria Emilia esclareceu ao parlamentar que o orçado da obra estava em R$ 4 mi e o total chegou a R$ 6,718 mi. “A diferença foi devido à instalação de cadeiras, troca total de telhado, sala de balé, entre outras melhorias”, salientou.

O procurador do Estado, Glauber Gayiva resumiu a questão afirmando que houve o problema de vazamento e pediu aos servidores que esclarecem com objetividade ao deputado se houve falha de projeto, se a empresa executou tudo conforme o que estava previsto ou se não cumpriu, “pois que houve chuva atípica todos sabem. Houve ou não vício de serviço? ”, questionou o procurador.

Jesuíno disse que a empresa faltou com a verdade ao informar ao governo de que só chove no piso com chuva torrencial. “Mentira, estava no local e constatei que tem goteira sim, independente da intensidade”, destacou Boabaid.

Maria Emilia esclareceu que o governo não pagou a última parcela devida a empresa que executou o serviço, pois se constatou, além das irregularidades, que há necessidade de colocação de uma manta no telhado, pois “a cada dia que passa o piso é mais prejudicado. O que o governo gastar para corrigir o problema será descontado no pagamento desta parcela devida”, frisou.

Também foi esclarecido para o parlamentar que a empresa recebeu notificações. “Algumas ela acatou, outras não, o que gerou este bloqueio no pagamento da empresa. À medida que foram detectadas falhas a empresa foi devidamente notificada. O montante a ser pago gira em torno de R$ 300 mil e o engenheiro da empresa acompanhou toda a perícia”, salientou André Luiz Gurgel do Amaral, que é fiscal de obras do Pidise.

Maria Emilia apresentou ao parlamentar a Ordem de Serviço para conserto do telhado, que já foi dada a empresa vencedora da cotação de preços e tem o prazo para realização do serviço no telhado de 15 dias, para após ser feita a correção no piso.

Os engenheiros lembraram ao deputado, que devido a problemas de má execução da obra e detectada pelos fiscais, a empresa é notificada. Mas se houver o mau uso do bem, a Sejucel e a Seduc precisam se responsabilizar pela gestão e manutenção.

José Carlos Barbosa, coordenador de Esporte e Lazer da Secretaria de Esportes, Juventude, Cultura, Esporte e Lazer (Sejucel) informou que foi criado, através de Projetos de Lei aprovados na ALE o Sistema de Esporte e Lazer e o Fundo do Esporte, mas que não foi operacionalizada ainda a forma de recolhimento para formar o fundo.

Após todas as explicações o deputado Jesuíno se disse satisfeito com as arguições e pediu para notificar o Departamento de Engenharia da ALE para disponibilizar dois engenheiros, com urgência, para acompanhar a execução das obras do Claudio Coutinho.

O parlamentar agendou o próximo dia 19 para os representantes do Pidise entregar relatório com análise, por parte da engenharia dos problemas que foram detectados com vício construtivo e encaminhamentos de correção. Incluindo prazos, custos e serviço que serão executados.

Está agendada para o dia 26 de março audiência de instrução com Sejucel, Seduc e Sefin, Sepog, Searh e procuradoria para definir as questões pertinentes ao Fundo do Esporte e Lazer e também quanto à gestão do ginásio.

 

ALE/RO - DECOM - Geovani Berno
Foto: José Hilde


FOTOS

registrado em:
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Os comentários são moderados