Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Assembleia / Notícias / Jesuíno Boabaid repudia gestão do prefeito Hildon Chaves ao denunciar caos no JP II

Jesuíno Boabaid repudia gestão do prefeito Hildon Chaves ao denunciar caos no JP II

por Igor Cruz publicado 12/09/2018 11h38, última modificação 12/09/2018 11h38
Parlamentar também destacou projeto que revoga lei que beneficia usinas e atentado contra Bolsonaro...

 

Na sessão desta terça-feira (11), o deputado Jesuíno Boabaid (PMN) destacou a precariedade da saúde pública de Rondônia e comparou o Hospital João Paulo II, em Porto Velho, a um cenário de campo de guerra, após visitar o local.

O parlamentar disse que questionou à direção, quais as razões que levaram o principal hospital público da Capital a chegar a situação calamitosa em que se encontra.

Segundo Boabaid, a saúde pública, no que tange a alta complexidade, é de competência do Estado e de responsabilidade daqueles que o representam, o entanto, para o parlamentar, a incompetência da administração municipal.

"Se a Prefeitura de Porto Velho não contrata especialistas da área da saúde, não dá a devida assistência às Upas e aos postos de saúde, é obvio que vai refletir na superlotação do JP II e nessa pouca vergonha, que nós estamos vivenciando", declarou Jesuíno.

O deputado citou que o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), na época de campanha eleitoral, defendia ter sido um procurador da saúde pública e que faria a mudança, porém, que pelo contrário a situação só tem se agravado e o JP II tem ficado responsável com a demanda que seria de competência do município.

"O JP II lota, porque recebe paciente que reclama de febre, unha encravada, casos que deveriam ser resolvidos pelos médicos do município. Já se passaram quase dois anos do mandato do prefeito e ele não melhorou absolutamente nada da saúde pública de Porto Velho e seus distritos. É muita cara de pau, o paladino da moralidade, que prometia contratar profissionais capacitados, hoje ser o responsável por essa péssima gestão, que faz da saúde da Capital esse caos", declarou Boabaid.

O deputado ressaltou que encaminhou, por meio de emendas parlamentares, mais de R$ 1 milhão para compra de ambulâncias, R$ 300 mil para reforma do barco que atenderia os ribeirinhos e R$ 500 mil para a climatização de escolas municipais.

"Mas até agora só enrolação. Tem recurso nos cofres do município e o prefeito não consegue a execução. Quero acreditar que isso não é um boicote por conta da minha oposição, críticas e denúncias que já fiz e faço contra essa gestão. O prefeito tem que ter maturidade política, estar passível as críticas e fazer seu papel de executor, atender as necessidades do cidadão que nada tem a ver com situações políticas", argumentou.

Boabaid disse repudiar a gestão de Hildon Chaves e criticou o chefe do Executivo em não dar o devido destino aos recursos disponibilizados para melhorias nos setores públicos da Capital.

O parlamentar comentou sobre a situação "vexatória" dos agentes comunitários de saúde de Porto Velho que, segundo o deputado, não recebem auxílio fardamento, protetor solar e os devidos equipamentos de trabalho.

"A desculpa da atual gestão é o corte de gastos. E olha que tenho denúncia de que vem recurso público da União para dar as devidas condições de trabalho aos agentes comunitários de Porto Velho, que precisam se sacrificar para fazerem o seu papel", disse Jesuíno.

Usinas
O deputado falou da lei proposta por ele, já em tramitação e que, caso seja aprovada pela ALE, prevê a revogação de todas as leis que trouxeram benefícios às usinas hidrelétricas do rio Madeira. Segundo o parlamentar, seu objetivo é fazer justiça com o povo de Rondônia.

Jesuíno citou a denúncia feita pelo deputado Laerte Gomes (PSDB), quanto à pressão que os prefeitos estariam sofrendo por parte da Associação Rondoniense de Municípios (Arom), para que cada município doe parte das compensações das usinas, um valor de R$ 100 mil para a construção da sede própria da entidade.

"Isso é um tapa na cara da sociedade, na cara das pessoas que acreditaram em seus representantes. É uma pouca vergonha. Cabe sim uma representação, a suspensão dessa lei que autorizou R$ 30 milhões para o Distrito de Jaci-Paraná de Porto Velho e R$ 1 milhão para cada município. Agora querem tirar 10% das prefeituras para custeio de construção de prédio próprio? Sinceramente é muita falta de vergonha. Se for necessário também vou apresentar projeto de lei para revogar o aumento dessas benditas cotas", anunciou Jesuíno.

Bolsonaro
O deputado apresentou um vídeo que divulga o momento em que o candidato à presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro é esfaqueado quando fazia campanha na cidade de Juiz de Fora (MG), no dia 6 de setembro.

Para Boabaid, a imagem retrata uma "atitude insana, antidemocrática, uma afronta ao Estado e ao povo brasileiro". Para o parlamentar, o Brasil vive uma situação que causa terror.

"Ali, uma pessoa exercendo seu direito constitucional de fazer sua campanha eleitoral, receber uma facada de um cidadão sem um pingo de medo ou receio, em meio a uma multidão, para todo mundo ver e assistir. Me pergunto a que ponto iremos chegar", indagou o deputado.

Jesuíno repudiou o fato de o acusado pela tentativa de homicídio contra Bolsonaro, a qual o deputado chamou de crime contra a Segurança Nacional, ter sido submetido à Audiência de Custódia, que assegura ao acusado, direitos constitucionais.

"Esse Brasil é um país que tem que passar por uma reforma urgente. Os valores se perderam, e isso pode acontecer com qualquer cidadão de bem, não é porque era o candidato Bolsonaro, isso é violência e precisa ser coibida. Para mim, um vagabundo desse, que está sendo defendido pelos melhores criminalistas, deveria receber uma pena de 60 anos no fechado", disse o deputado.



Curso de formação da PM
Jesuíno Boabaid criticou os coordenadores e instrutores que estão ministrando as provas de cabo e sargento da Polícia Militar (PM). O deputado relatou que os cursos de formação são resultados de uma luta incansável travada na ALE, e que agora vêm instrutores aplicar prova "que nem a NASA faz", frisou.

O deputado defendeu que os cursos precisam testar o conhecimento e a capacidade dos policiais que já estão há 11, 12 anos dentro da PM e que não deveriam ser submetidos a certos tipos de tratamento recebidos nos cursos de formação.

"Tem aluno desistindo do curso e eu não entendo, porque estão fazendo isso com os policiais militares. Fico indignado. Peço ao Comando da Polícia Militar que faça uma reflexão", concluiu o deputado.

 

ALE/RO - DECOM - Juliana Martins
Foto: Gilmar de Jesus

registrado em:
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Os comentários são moderados