Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Assembleia / Notícias / Presidente Laerte Gomes defende inclusão de tecnólogos em concursos públicos

Presidente Laerte Gomes defende inclusão de tecnólogos em concursos públicos

por Ronaldo Afonso do Amaral publicado 15/03/2019 16h05, última modificação 15/03/2019 16h05
Parlamentar destaca que Rondônia já conta com número expressivo de profissionais da área

 

O presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes (PSDB) apresentou indicação ao Poder Executivo, que nos editais de concursos públicos, visando à contratação de servidores de nível superior, inclua-se também a participação dos tecnólogos. 

“Trata-se de questão de justiça. Rondônia, a exemplo de outros estados, já conta com um expressivo contingente de profissionais com formação de tecnólogo”, ressaltou o presidente. 

De acordo com o deputado, no Brasil, o tecnólogo é o profissional de nível superior formado em um curso de tecnologia. A modalidade de graduação visa formar especialistas para atender campos específicos do mercado de trabalho. 

O tecnólogo é detentor de uma formação superior impecável, adquirida numa graduação de enfoque mais prático, com currículos especializados e voltados a atender áreas específicas no mercado de trabalho. 

O presidente cita que em Rondônia, o pioneirismo da formação tecnológica começou com a implantação dos cursos de Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos e o de Tecnólogo em Empreendedorismo. 

Segundo o deputado, ao longo dos últimos 10 anos, outros cursos vieram a ser incorporados nas faculdades privadas em funcionamento no Estado e, recentemente, por meio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO). 

“Mesmo assim, após anos da implantação dessa modalidade de formação superior diferenciada, esses profissionais enfrentam dificuldades de colocação no mercado de trabalho e quase sempre são deixados de fora dos concursos públicos”, mencionou o presidente. 

O parlamentar conclui afirmando que todos os anos são formados centenas de tecnólogos competentes, que se veem excluídos dos processos de seleção para o serviço público, justamente por terem uma formação diferenciada. 

“Sendo assim, é justo que os tecnólogos possam participar em iguais condições dos bacharéis, nos certames públicos”, finalizou o presidente.

Texto: Juliana Martins - DECOM/ALE

Foto: José Hilde

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples.