Adelino vê excessos na fiscalização de madeireiras em Rondônia

por Laila Luana Costa Moraes publicado 27/05/2020 14h03, última modificação 27/05/2020 14h03
Deputado diz que secretário privilegia Capital nas ações contra pandemia

O deputado Adelino Follador (DEM) disse nesta terça-feira (26), durante sessão plenária, que é a favor de punir quem trabalha de forma irregular, mas condenou a forma de atuação dos órgãos de fiscalização que, segundo ele, está inviabilizando o setor madeireiro no interior do Estado com intervenções radicais e sem critérios legais.

O parlamentar citou o caso de Cujubim, que, conforme avaliou, já sofre com o desemprego e tende a ficar em situação agravada com a decisão da juíza federal amazonense Jaiza Maria Pinto Fraxe, que obriga os órgãos federais a realizarem ações permanentes de repressões em vários municípios. Em Rondônia, mais especificamente em Cujubim, Nova Mamoré e Buritis.

Follador falou ainda que os recursos do auxílio da merenda escolar ainda não estão chegando a todos os lares dos estudantes carentes em Rondônia. O dinheiro, que seria usado para a compra alimentos, deveria ser destinado agora, com a paralisação das aulas, às famílias dos alunos.

Durante o discurso, criticou também o secretário estadual de Saúde, Fernando Máximo. Segundo o deputado, Máximo privilegia ações contra a pandemia em Porto Velho e não tem visitado e procurando solucionar os problemas no interior de Rondônia. “Ele não é secretário da Saúde de Porto Velho, mas de todo o Estado,” externou da tribuna.

Texto: Antônio Pessoa-ALE/RO

Foto: Marcos Figueira-ALE/RO