Comissão de agropecuária debate criação de fundo ao setor produtivo e licenciamentos

por Igor_Cruz — publicado 20/09/2017 14h17, última modificação 20/09/2017 14h17
Foram ouvidos na reunião desta quarta-feira, o presidente da Idaron e o secretário estadual de meio ambiente...

 

Presidida pelo deputado Lazinho da Fetagro (PT), a Comissão de Agropecuária e Política Rural (CAPR), reunida em caráter ordinário na manhã desta quarta-feira (20), recebeu para esclarecimentos, o presidente da Agência de Vigilância Sanitária (Idaron), Anselmo de Jesus e o secretário estadual de desenvolvimento ambiental (Sedam), Vilson Sales Machado.

O presidente da Idaron veio para esclarecer questões referente ao fundo privado Fundagro, que é formado por associações do setor produtivo que pensaram no fundo com o intuito de investimento em capacitações, treinamento e pesquisas ao setor, sem depender do poder público.

Segundo as explicações também fornecidas pelo deputado Adelino Follador (DEM), o fundo seria formado pela cobrança de R$ 1,00 a cada boi abatido, cuja cobrança seria feita pela Idaron ao produtor no momento de expedir a Guia de Transferência Animal (GTA). “Por este serviço, a Idaron receberia o montante de dez por cento do arrecadado”, informou o parlamentar.

No entanto, o entrave burocrático existente é que a Procuradoria Geral do Estado (PGE) está tratando a situação como um convênio, “mas não é. É um Termo de Cooperação Técnica para que o recurso possa ser utilizado pela Idaron sem entraves, incluindo despesas administrativas”.

Anselmo ressaltou a importância do fundo privado para a Idaron, mas que a Procuradoria teria firmado convênio ao invés de Termo de Cooperação, o que acabou por emperrar o andamento do processo.

O deputado Adelino pede providências e reunião com todos os envolvidos, “pois somos cobrados diariamente pelo setor produtivo, para a criação deste fundo que irá impulsionar não somente a cadeia produtiva do boi, mas a do peixe, leite, café e grãos.

Sedam

Atendendo ao pedido do deputado Marcelino Tenório (PRP) e Adelino Follador, o secretário Vilson Sales Machado veio prestar esclarecimentos relativo a cobrança de taxas de licenciamento de agroindústrias e sobre os poços artesianos.

Sales informou que, por lei, empreendedores da agricultura familiar não pagam taxas de licenciamento, desde que a área seja de até 240 hectares.

Falou também sobre a modernização do sistema para agilizar a liberação de documentação que em breve será todo on line e integrados, interligando todas as atividades que envolvem licenciamento ambiental.

Sobre a questão dos poços artesianos, a legislação é federal e, portanto, foge ao controle da Sedam.

O deputado Adelino disse que o licenciamento e todo o processo é muito caro, tornando inviável as agroindústrias em muitos casos. Sales informou que está em finalização convênio com a Universidade Federal de Lavras (MG) que irá realizar um Plano Estadual de Recursos Hídricos, o que tornará mais ágil as liberações.

Cancelamento

Os deputados da Comissão cancelaram a reunião da próxima semana para que os membros possam participar de reunião no Palácio do Governo com representante do Ministério da Agricultura para tratar sobre a liberação do estado da vacinação da febre aftosa.

 

ALE/RO - DECOM – Geovani Berno
Foto: Lusângela França


FOTOS