CPI dos frigoríficos solicita mais informações a órgãos do Estado e da União

por Igor_Cruz — publicado 02/05/2016 17h20, última modificação 02/05/2016 17h20
Trabalhos começam à chegar à reta final e relatório está sendo preparado por Lazinho da Fetagro...

 

Quatro requerimentos foram aprovados na tarde desta segunda-feira (2) pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar a possível formação de cartel dos frigoríficos de abate de bovinos em Rondônia, em reunião realizada no Plenarinho. Dois são direcionados à Agência Idaron e os outros à Superintendência Federal de Agricultura (SFA) e à Emater.

Da Agência Idaron os deputados querem os dados dos abates nas plantas frigoríficas e também a relação dos animais que são retirados do Estado, por idade e locais de envio. Da SFA foi requerido o quadro, de janeiro a abril deste ano, dos abates em locais onde há o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF).

Os parlamentares também aprovaram solicitação à Emater, para que seja encaminhada à CPI a relação dos preços médios da carne entre os meses de janeiro a abril deste ano. A comissão já tem os preços praticados em 2014 e 2015.

Os deputados também decidiram conceder mais dez dias de prazo à Associação dos Frigoríficos de Rondônia (Asfrigo), para entrega de informações sobre abate de animais. O presidente da entidade, Marcos Lacerda, explicou que não foi possível atender a CPI até o momento porque nem todos os associados encaminharam respostas a alguns questionamentos.

O presidente da CPI, Adelino Follador (DEM), disse que os trabalhos estão sendo desenvolvidos dentro da expectativa prevista. Segundo ele, já foi visto que é possível melhorar o relacionamento entre produtores rurais e frigoríficos.

O relator, Lazinho da Fetagro (PT), já está trabalhando no documento final. “O relatório será apresentado para apreciação dos integrantes da CPI e depois de aprovado será votado em plenário”, explicou.

O deputado José Lebrão (PMDB), membro da CPI, assegurou que os trabalhos são desenvolvidos com isenção. “Ouvimos representantes dos produtores, dos trabalhadores e dos frigoríficos. Acredito que vamos contribuir para encontrar uma solução para esse problema”, destacou.

A CPI foi formada devido a denúncias de que haveria cartel para manter baixo o preço da carne em Rondônia, afetando os produtores. Ocorre que os valores só caíam para pagar ao produtor, e não nas prateleiras dos supermercados. Houve uma audiência pública para tratar do assunto, mas nenhum representante de frigorífico participou. Diante disso os deputados decidiram investigar o caso.

 

ALE/RO - DECOM - [Nilton Salina]

Foto: Ana Célia