Deputados discutem credenciamento do Hospital de Câncer de Barretos

por Igor_Cruz — publicado 23/03/2015 19h06, última modificação 23/03/2015 19h06
Presidente da Fundação Pio XII alerta para necessidade de acelerar credenciamento da unidade...

 

O credenciamento da unidade do Hospital de Câncer de Barretos junto ao Sistema Único de Saúde (SUS), para tratamento dos pacientes com câncer foi discutido na manhã desta segunda-feira (23), em reunião no gabinete da presidência da Assembleia Legislativa.

O presidente da Casa, Maurão de Carvalho, acompanhado dos deputados estaduais Dr. Neidson (PTdoB), Laerte Gomes (PEN), Lebrão (PTN), Aélcio da TV (PP), Jesuíno Boabaid (PTdoB) e Cleiton Roque (PSB), debateu a questão com o presidente da Fundação Pio XII, Henrique Prata, e o diretor do Hospital de Câncer de Porto Velho, Jean Bessa.

Henrique Prata mostrou que, sem o credenciamento, a unidade atual de Barretos enfrenta dificuldades para se manter. A preocupação é que, com a construção do Hospital de Câncer da Amazônia, sem o credenciamento a instituição teria ainda mais dificuldades, em razão do nível de complexidade e excelência no tratamento que irá oferecer.

“É um investimento muito alto, uma aposta muito grande que não podemos continuar sem garantias, sem cobertura. O credenciamento é uma necessidade urgente e que precisa de vontade política para fazê-lo”, explicou Prata.

Maurão de Carvalho garantiu que a Assembleia Legislativa está à disposição para buscar esse credenciamento. “O serviço que Barretos oferece em Porto Velho, reduzindo em pelo menos 30% o número de pacientes que é levado para a unidade no estado de São Paulo, não pode continuar de fora do credenciamento. Vamos mobilizar a classe política e as autoridades para que isso ocorra”, observou.

Hoje, quem possui o credenciamento é o São Pelegrino. Mas, a informação é de que a unidade não oferece atendimento na quantidade e na excelência que é a demanda exige. “Não podem ter duas unidades credenciadas. Mas, em Barretos oferecemos hoje um serviço que atende a pelo menos 90% das exigências para o credenciamento. O São Pelegrino não ofereceria nem 20% do serviço exigido”, informou Jean Bessa.

Dr. Neidson, que é presidente da Comissão de Saúde da Assembleia, afirmou que solicitará as estatísticas de atendimento das unidades de Barretos e do São Pelegrino. “Com esses dados, poderemos atestar quem tem mais a oferecer e merece ser credenciado”, opinou.

O deputado Lebrão sugeriu a realização de uma audiência pública para debater o assunto, logo após as informações serem colhidas pela Comissão de Saúde.

 

Recursos

Henrique Prata apresentou o argumento de que, sem o credenciamento, o Governo do Estado, que hoje injeta R$ 1,5 milhão mensal para a manutenção dos serviços, deixa de receber do SUS o ressarcimento desses gastos.

“É um prejuízo ao Governo, que poderia estar recebendo do Ministério da Saúde o ressarcimento dessa despesa, em pelo menos R$ 800 mil ao mês”, disse ele, completando que a unidade hoje tem um gasto mensal em torno de R$ 2,5 milhões.

Hoje, Rondônia registra anualmente cerca de 900 novos casos de câncer e é um dos estados que mais envia pacientes para tratamento em Barretos (SP).

 

Amazônia

A construção do Hospital de Câncer da Amazônia, que teve as obras iniciadas no começo do ano, às margens da BR-364, na saída para Candeias do Jamary, também foi debatida.

Maurão de Carvalho destinou uma emenda parlamentar de R$ 1 milhão, a primeira recebida pela unidade que terá, na primeira etapa, 15 mil metros quadrados de área construída, num terreno de 100 mil metros quadrados.

No encontro, os parlamentares acenaram com a liberação, no orçamento do próximo ano, de uma emenda coletiva de valor a ser definido, para ser repassada às obras do Hospital de Câncer da Amazônia, unidade que será referência na pesquisa e no tratamento da doença.

 

ALE/RO - DECOM - [Eranildo Costa Luna]

Foto: ALE/RO - DECOM - [Marisvaldo José]

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples.