Laerte Gomes diz que pediu ao governador para vetar projeto criando Conselho Lgbttt

por Igor_Cruz — publicado 03/05/2018 09h16, última modificação 03/05/2018 09h16
Deputado participou de reunião com pastores e o governador e fez o pedido, como líder do Governo...

 

O deputado Laerte Gomes (PSDB) usou a tribuna para relatar que participou na manhã de quarta-feira (2), no Palácio Rio Madeira, em Porto Velho, de reunião entre pastores, deputados e o governador Daniel Pereira (PSB), para discutir o Projeto de Lei 845/17, que criou o Conselho Estadual de Políticas Públicas e Direitos Humanos para a população de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais E Transgêneros (Lgbttt).

Laerte disse que, como líder do Governo, pediu ao governador que vetasse o projeto criando o referido conselho, para que a Assembleia tenha a oportunidade de rediscutir a matéria, com a possibilidade de manter o veto. “Cada deputado poderá, desta forma, votar conforme suas convicções e debater ampla e democraticamente o projeto”, destacou Laerte.

O parlamentar explicou que a aprovação da matéria causou uma movimentação muito grande por parte da população cristã. "A matéria que veio do Executivo, após o decreto 7388, do governo federal, de 2010, que criou o Conselho Nacional LGBT, levando aos Estados a criação de Conselhos Estaduais".

Laerte disse que, no encontro, teve a possibilidade de expressar a sua opinião, após conversar com diversas lideranças religiosas. "Por isso, pedi que o governador vetasse a matéria, para que a Casa pudesse discutir o veto, com votação nominal e cada um com a sua consciência", observou.

O deputado Maurão de Carvalho (MDB) presidente da Assembleia Legislativa parabenizou o discurso sobre a matéria e disse que o tema já foi bastante desagradável para a Casa, desde a aprovação do projeto. “Sabíamos que o impacto seria negativo, pois em um Estado com maioria cristã, a população jamais concordaria com a aprovação do projeto. O importante é reconhecer o erro e trabalhar pela reversão da situação", disse Maurão.

Jesuíno Boabaid (PMN) observou que, "o que se discute no conselho é política de direitos humanos, não de ideologia de gênero, a qual sou contrário. Mas se o governador vetar, podemos sim manter o veto. Há muitas coisas a serem discutidas mais importantes que esta", afirmou o parlamentar.

Outros deputados também se manifestaram como Geraldo da Rondônia (PSC) que elogiou a postura do colega Laerte Gomes, que voltou atrás e quer rever o voto e rediscutir a questão da criação do conselho. Já Adelino Follador (DEM) lembrou que a Comissão de Educação votou favorável ao encaminhamento para o veto ao projeto.

Aélcio da TV (PP) comentou a insistência com que a Secretaria de Estado da Ação Social (Seas), tem se manifestado para a criação do conselho. Já em 2015 haviam enviado e foi relator na Comissão de Finanças, sendo contrário. “E novamente ressuscitaram o projeto só que desta vez não passou pela Comissão. Se não temos dinheiro para coisas básicas, por que querem para este conselho? ”, indagou.

 

ALE/RO - DECOM - Eranildo Costa Luna
Foto: Lusângela França

registrado em: