Lazinho da Fetagro critica alteração em lei que descaracteriza trabalho escravo

por Igor_Cruz — publicado 24/10/2017 17h18, última modificação 24/10/2017 17h18
Parlamentar também prestou homenagem póstuma a Dom Geraldo, falecido no último domingo...

 

O parlamentar lamentou o falecimento de dom Geraldo Verdier, bispo emérito de Guajará-Mirim ocorrido no último domingo (22), em Porto Velho. Lazinho reforçou que o bispo era um homem de luta, pela defesa das populações tradicionais, ribeirinhos, pela liberdade e igualdade social.

Francês de nascimento vivia há mais de 30 anos em Rondônia. “Fica nossa homenagem a toda a paróquia de Guajará-Mirim e pedimos que Deus conforte a família e toda a comunidade que ele sempre defendeu”, frisou Lazinho.

O deputado também ressaltou o ato do presidente da República Michel Temer, que trata das relações de trabalho escravo. O tratamento dado a lei fere os acordos firmados com a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e dificulta de todas as formas a fiscalização do que é trabalho escravo no Brasil.

O parlamentar citou as várias formas que a nova resolução descaracterizou o trabalho escravo, como dormir ao relento, em péssimas condições de higiene e limpeza e vigilância armada.

Pela nova legislação, afirmou Lazinho, é o ministro quem irá decretar se as condições são análogas ou não a escravidão. O parlamentar ironizou dizendo que no momento em que se coloca um Blairo Maggi, como ministro, sendo que ele e vários de seus amigos estão em uma lista negra, “o que acham que irá acontecer”, questionou.

Lazinho falou que o projeto visa unicamente salvar seu governo agradando a bancada ruralista, mesmo ferindo os acordos internacionais. Uma ação irresponsável, finalizou.


ALE/RO - DECOM - Geovani Berno
Foto: Gilmar de Jesus

registrado em: