Lazinho destaca cenário da política nacional e critica ações do Judiciário

por Igor_Cruz — publicado 29/03/2016 18h25, última modificação 29/03/2016 18h25
Parlamentar cita papel da Ceplac e afirma que impeachment é prejudicial ao Brasil...


Em seu pronunciamento na sessão ordinária desta terça-feira (29), na Assembleia Legislativa, o deputado Lazinho da Fetagro (PT) destacou a comemoração do Dia Nacional da Lavoura Cacaueira, no último dia 26 de março.

Segundo ele, a data é um registro histórico que marca uma das principais atividades produtivas do País. “E que por anos contribuiu indiscutivelmente para o desenvolvimento de Rondônia”, declarou o parlamentar.

O deputado frisou o importante papel da Ceplac na produção de cacau e disse que atualmente o órgão sofre com a atual conjuntura e passa por sérios problemas que envolvem sua resistência no futuro.

No entanto, ressaltou que mesmo diante das dificuldades, a Ceplac vem desenvolvendo atividades integradas a tecnologia e estudos para o cultivo de espécies de plantas resistentes à vassoura de bruxa.

De acordo com o deputado, o esforço é fundamental para o restabelecimento da cadeia produtiva do cacau em Rondônia, oferecendo assim, benefícios e oportunidade de renda para a agricultura familiar.

Lazinho da Fetagro informou que através da Comissão de Agropecuária e Política Rural, da qual é presidente, disponibilizou emendas no valor de R$ 1 milhão para a compra de mudas geneticamente preparadas para implementar o setor cacaueiro em Rondônia.


Política nacional

O parlamentar disse que não poderia deixar de comentar o atual cenário da política nacional e citou o rompimento do PMDB com o governo federal. Lazinho questionou o que aconteceria com o País em uma possível situação de pós impeachment.

“Será que isso vai acabar com a corrupção? Se cassarem a presidente Dilma o País vai viver às mil maravilhas?”, indagou o deputado, que disse acreditar que a sociedade também precisa vislumbrar a possibilidade.

Citou a divulgação dos grampos da Lava Jato autorizadas pelo juiz Sérgio Moro e declarou que, “da maneira que a Justiça e a grande mídia vêm agindo, o futuro do Brasil é preocupante”.

Lazinho da Fetagro disse que a última instância do País é o Judiciário e que, portanto, a esfera não poderia tomar partido como, segundo ele, vem sendo feito em relação às ações de Moro.

Criticou a atitude da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em apresentar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff  (PT) no Congresso Nacional e disse considerar o ato inconstitucional.

“A democracia e a Constituição brasileira precisam ser respeitadas e isso não está acontecendo. Um juiz que toma partido não merece respeito e traz insegurança para a sociedade”, concluiu Lazinho da Fetagro.

 

ALE/RO - DECOM - [Juliana Martins]

Foto: José Hilde

registrado em: