Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Assembleia / Notícias / Parlamentares mantêm veto do Executivo a dois projetos do Legislativo

Parlamentares mantêm veto do Executivo a dois projetos do Legislativo

por Igor_Cruz — publicado 27/10/2016 08h52, última modificação 27/10/2016 08h52
Projetos receberam Vetos Parciais por conflitarem com a Constituição Federal...


Na sessão ordinária de terça-feira (25), realizada na Assembleia Legislativa, foram votados dois vetos parciais (VP), encaminhados pelo Executivo, sobre matérias aprovadas pelos parlamentares.

O VP nº 025/16 faz referência ao projeto nº 322/16, de autoria do deputado Alex Redano (PRB), que institui a obrigatoriedade dos fornecedores de bens e serviços, localizados no Estado de Rondônia, a definirem data e turno para entrega, montagem, instalação dos produtos ou realização de serviços aos consumidores.

O veto do governador Confúcio Moura (PMDB) é sobre o Artigo 2º, no qual “definem conceitos já estabelecidos pela União com a edição do Código de Defesa do Consumidor, os quais, indubitavelmente, caracterizam-se como normas gerais, e, conforme o artigo 24, § 1º, da Constituição Federal, são matérias reservadas à União”, justificou.

Também foi vetado o artigo 4, caput e incisos, do Autógrafo de Lei em comento, pois “contraria o interesse público na medida em que gera a interpretação de que é vedada a entrega de mercadorias fora dos horários designados nos incisos. Assim, qualquer limitação no horário de entregas conflita com a complexidade das relações de consumo modernas e reduz as opções do consumidor”.

Já o VP nº 026/16, se refere a Lei nº 472/16, de autoria do deputado Jesuíno Boabaid (PMN) que dispõe sobre a suspensão de autorização de licença de atividade de extração de minério ou garimpagem já concedidas e a concessão de novas autorizações, na área específica. O relatório do deputado Adelino Follador (DEM) deu parecer favorável pela manutenção ao veto do artigo 2º.

O veto, segundo justificou o governador, deve-se pelo fato de que a lei apresentada estipula o valor de multa em caso de descumprimento. “Tal disposição é inconstitucional por infringir a alínea "c", do inciso XLVI, do artigo 5º, da Constituição Federal”.

Na sequência, o Executivo afirma que o dispositivo contraria as disposições contidas nos artigos 4º, 63 e 66, do Decreto Federal nº 6.514, de 22 de julho de 2008, que "Dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações, e dá outras providências."

O documento também afirma que não observa as determinações legais quanto à graduação de acordo com a gravidade da infração, a condição econômica do infrator e seus antecedentes relativos à matéria ambiental, devendo existir razoabilidade na fixação e individualização da pena. Por estes motivos, justificou o Chefe do Executivo, o veto parcial ao Projeto.


ALE/RO - DECOM - [Geovani Berno]
Foto: José Hilde


registrado em:
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples.